A Assimetria na Estratégia de Investimentos

A Assimetria na Estratégia de Investimentos

DO CONCEITO DA ASSIMETRIA

A palavra Assimetria vem do grego A, “Sem”, mais Syn, “Junto”, mais Metron, “Medida”: “a qualidade do que tem a mesma medida”.[1] Ou seja, ausência de simetria. E o que interessa mais para nós: grande diferença, disparidade e discrepância.

O termo traz um pouco a ideia do Princípio de Pareto, em que 80% dos resultados são produzidos por 20% das causas. A famosa regra do 80/20.

DA FRAGILIDADE E ANTIFRAGILIDADE

Mas o objetivo aqui do texto é trazer um pouco as ideias do Nicholas Nassim Taleb, que ficou conhecido principalmente pela sua obra A lógica do Cisne Negro (The Black Swan) – O impacto do altamente improvável, sobre assimetrias relacionadas com fragilidade ou antifragilidade, que são muito usadas em estratégias de investimentos.

Como os termos Frágil e Antifrágil são essenciais para a compreensão dos ensinamentos do Taleb, a intenção é de, num futuro próximo, redigir artigos específicos aprofundando esses temas, mas por ora já podemos ter uma noção das palavras.

Em seu livro Antifrágil[2] – Coisas que se beneficiam com o Caos, o autor nos traz as seguintes afirmações:

“A fragilidade implica ter mais a perder do que a ganhar, que é igual a mais desvantagens do que vantagens, que é igual à Assimetria (Desfavorável),

E

A Antifragilidade implica ter mais a ganhar do que a perder, que é igual a mais vantagens do que desvantagens, que é igual à Assimetria (Favorável)”.

Além disso, diz no mesmo livro que: “O primeiro passo em direção à Antifragilidade consiste, inicialmente, em diminuir as desvantagens, em vez de aumentar as vantagens; isto é, reduzir a exposição aos cisnes negros negativos e deixar que a Antifragilidade natural trabalhe por si só”.[3]

Ou, trazendo para uma linguagem mais popular:

“Prepare-se para o pior; o melhor cuida de si mesmo”.

Provérbio Iídiche

 

Aprofundando um pouco mais o assunto, continua o mesmo autor:

“A Antifragilidade é igual a ter mais a ganhar do que a perder, que é igual a mais vantagens do que desvantagens, que é igual à assimetria (desfavorável) que é igual a apreciar a volatilidade. E (…) Simplesmente não precisamos saber o que está acontecendo quando compramos barato, quando temos a assimetria trabalhando a nosso favor”[4]

Como comentado acima, os conceitos do Nassim Taleb não são de fácil compreensão (principalmente no primeiro contato), mas causam profundas implicações quando pensamos em estratégias de investimentos para a nossa vida.

DAS INTERPRETAÇÕES DOS ENSINAMENTOS DO TALEB FEITAS PELO FELIPE MIRANDA DA EMPIRICUS

Confesso que não gosto do Marketing apelativo (que hoje tem nome bonito – Storytelling) feito pela Empiricus. Mas, por obra do destino, recebi da minha irmã mais “preocupada” (ela vai saber quem é…) um livro do Felipe Miranda chamado 100 Ensaios. E confesso que gostei muito do que li. Descobri em seus textos uma profunda admiração do autor pelo Nassim Taleb e, melhor e além disso, o Felipe Miranda, através de sua excelente escrita, traz os ensinamentos do Taleb algumas vezes com mais clareza do que o próprio autor. Separei alguns textos que traduzem os ensinamentos sobre Fragilidade/Antifragilidade e assimetrias expostos acima:

“Se você pretende ter um bom ano em seus investimentos ou, mais do que isso, décadas de bons investimentos, reconheça a própria limitação. Diversificação, seguros contra as próprias convicções, ciência de que você vai errar, e portanto não pode estar numa estratégia que lhe tira do jogo caso não dê certo, e perseguição por boas assimetrias são os remédios contra o excesso de confiança. Tudo é só isso”[5]

“Estamos todos nós submetidos às intempéries do acaso. E somos iludidos por ele, confundindo resultados aleatórios com outros gerados pela efetiva competência. Competência explica parte do resultado. Mas uma outra, muito importante, é determinada simplesmente pela deusa fortuna. Num ambiente assim, buscas assimetrias convidativas (perco pouco se estiver errado; ganho muito se certo) é o máximo que nos cabe. (…)

Vamos errar várias vezes. Acertar umas outras. Vida segue. Se os perfis das apostas oferecerem uma assimetria favorável, os resultados serão positivos no longo prazo. Já basta”.[6]

“Por mais que nos esforcemos, jamais eliminaremos a opacidade do ambiente. Nunca poderemos descobrir a priori qual dos cenários haverá de se materializar à frente. Assim, só nos resta perseguir assimetrias convidativas em nossos investimentos. A única vantagem que acredito ter em relação aos outros analistas é que eles não sabem que não sabem. Prossigo. Se nunca poderemos descobrir qual será o resultado final dos processos hoje em curso e de suas mais variadas possibilidades no futuro, tudo o que podemos fazer é adotar a estratégia que implicará o menor prejuízo caso se concretize o cenário ruim, e o maior lucro caso se configure o cenário positivo, comtempladas as probabilidades associadas.

Quanto podemos perder frente aos ganhos potenciais. Talvez por isso goste tanto das ações. Por definição, você pode perder, no máximo 100% de seu capital investido, mas pode, do outro lado, ganhar muito mais do que isso.

Então, se você monta uma carteira diversificada em ações, o que deve lhe acontecer com o passar do tempo?

Algumas vão perder 100%.

Outras subirão 100%, 200%, quem sabe 1.000%.

Suas perdas serão mais do que compensadas pelos ganhos justamente porque há essa característica maravilhosa associada às ações de uma assimetria convidativa.

(…) Note, porém, que, na estrutura, ações e opções não são tão distantes, pois oferecem matriz de payoff semelhante: Perdas limitadas, Ganhos Ilimitados”.[7]

“Minha obsessão pela convexidade, o que tenho de mais íntimo é justamente essa tentativa de combinar as coisas: a possibilidade de retornos explosivos (sim, você precisa ter ativos de muito risco em sua carteira) mantida, em paralelo, com posições que lhe tragam benefícios no caso de o mundo acabar.

Veja que essa é uma abordagem completamente diferente de se caracterizar a priori como agressivo ou moderado – você pode, e deve, ser as duas coisas”.[8]

E, por fim:

“Procure boas assimetrias.

Em vez de tentar adivinhar qual dos cenários vai se materializar à frente, tente comparar o quanto você perde frente ao quanto você ganha em cada um deles. Pode parecer pouco, mas é o máximo que você pode fazer.

Não se sinta atraído por tentativas inócuas de controle. Num ambiente de incertezas, você vai errar muito. Apenas continue no jogo. Nunca adote uma estratégia que implique risco de ruína. Você precisa continuar vivo.

Com boas assimetrias, no longo prazo, mesmo perdendo várias batalhas no meio do caminho, você sairá vencedor”.[9]

Quem está acostumado com os textos dos livros do Taleb vai perceber que todo o pano de fundo de toda a estratégia convexa do Felipe e da Empiricus são do autor do Cisne Negro. O próprio nome Empiricus é uma homenagem a uma empresa de Nassim Taleb chamada Empirica, palavra cuja origem remete ao filósofo grego Sextus Empiricus, um dos pais da escola cética.

APLICAÇÕES PRÁTICAS

‘Sendo prático’, como se diz na gíria popular. Como esses termos complicados e uma ideia que parece muito abstrata podem nos ajudar em nossas vidas e, principalmente, em nossas estratégias de investimentos.

 

NÃO SABEMOS O QUE VAI ACONTECER.

 

Essa é uma primeira constatação. Quanto mais se pensa no assunto (e para quem quiser se aprofundar na matéria indico, além do Taleb, também os ensinamentos do Daniel Kahneman, do Richard H. Thaler e de toda a escola da Economia Comportamental), mais veremos que temos pouco controle sobre o Futuro. É claro que, com a exceção dos astrólogos, economistas e apresentadores e consultores dos canais fechados de TV, que parecem sempre saber o que vai acontecer no futuro, e melhor, depois que acontece algo, dar a impressão de que esse algo era inevitável…

 

COMO NÃO SABEMOS O QUE VAI ACONTECER, PODEMOS E DEVEMOS USAR A ASSIMETRIA A NOSSO FAVOR

 

E aqui é importante reduzir as nossas perdas em caso de Cisnes Negros negativos, ou seja, ser extremamente conservador, perder pouco se estiver errado. O objetivo é sempre permanecer no jogo.

E, ao mesmo tempo, ser extremamente agressivo com as apostas em retornos explosivos, ganhar muito se estiver certo.

O Taleb traz esse conceito como a Estratégia Barbell (Bimodal).

 

MÁXIMO DE SEGURANÇA + MÁXIMO DE ESPECULAÇÃO

 

Sendo mais prático ainda. Exemplificando.

Por um lado: Investir em imóveis, títulos públicos, ouro, moedas fortes (máximo de segurança) e a maior parte do seu capital disponível.

Por outro lado: Investir em Ações, Startups, Criptomoedas, Empresas pegando fogo, Ações de empresas em Recuperação judicial, e outras maluquices lícitas (lembrei das pirâmides e assemelhadas – o que não recomendo), sempre entrando no jogo sabendo que pode perder todo esse capital (sem perder o sono!).

CONCLUSÃO

Espero ter ajudado a deixar essas ideias da Estratégia Bimodal, Assimetrias e Fragilidade/Antifragilidade do Nassim Taleb um pouco mais claras.

Comecei os estudos do Taleb com A lógica do Cisne Negro ainda em 2012, e, desde aquela época, venho acompanhando os novos lançamentos, como Antifrágil – Coisas que se beneficiam com o Caos em 2017, Arriscando a própria pele – Assimetrias ocultas no cotidiano em 2019, e Iludidos pelo Acaso – A influência da Sorte nos Mercados e na Vida, em 2020 com nova edição. E continuo lendo, relendo e filosofando sobre as ideias do autor. Confesso que alterou muito minha maneira de enxergar o mundo e está servindo como substrato teórico para minha – humilde e pequena – tese de investimentos.

Para quem está começando, afirmo que não é fácil investir em ativos arriscados. Estou trabalhando nessa questão psicológica da aversão a perdas há um bom tempo. E a teoria é bem mais fácil do que a prática, como sempre.

A experiência que estou tendo com Investimento Anjo em Startups é muito interessante, já que envolve aspectos muito além daqueles relacionados aos investimentos propriamente ditos, como geração de empregos, aprendizados em setores novos e modernos, métodos ágeis, novas amizades. No entanto, por outro lado, surgem muitas questões desgastantes, como a Montanha Russa emocional (euforia ou depressão do negócio), o horizonte de tempo de retorno bem maior do que o esperado (hoje já trabalho com um horizonte de 07 a 10 anos para o retorno), conflitos societários, e até outros sentimentos mais profundos como ingratidão, pensamentos de curto prazo, e por aí vai…

Enfim, eu me refiro a toda a relação humana – que por óbvio – envolve humanos – e também a todas as dificuldades decorrentes – a realidade para cada parte envolvida é muito relativa. Sempre gostei de uma frase de René Descartes:

O bom senso é a coisa mais bem distribuída do mundo: pois cada um pensa estar tão bem provido dele, que mesmo aqueles mais difíceis de se satisfazerem com qualquer outra coisa não costumam desejar mais bom senso do que se têm. Portanto, a diversidade de nossas opiniões não decorre de uns serem mais razoáveis que os outros, mas somente de conduzirmos nossos pensamentos por diversas vias e não considerarmos as mesmas coisas”.

Ou, como diz um fazendeiro amigo: “é mais fácil trabalhar com 1.000 animais do que com 1 ser humano”.

Mas, passando a régua, acredito que as vantagens do investimento anjo suplantam as desvantagens. E a assimetria é favorável a longo prazo.

O escritório de Advocacia Empresarial – Sander & Cella – Advogados, com sede em Chapecó – SC, possui uma equipe de profissionais que auxilia empresários e investidores na análise jurídica da melhor forma de Investimentos, tanto em setores arriscados como Startups – através do Investimento Anjo, como em setores tradicionais tais como o ramo Imobiliário. Conte com o auxílio da nossa equipe.

Por Andrei Bueno Sander, advogado especializado em Gestão Empresarial e Direito Digital e Compliance, e Investidor Anjo.

 

PS: As palavras foram grifadas diferente da citação original para facilitar a leitura.

[1] https://origemdapalavra.com.br/palavras/assimetrico/

[2] Livro Antifragil – Coisas que se beneficiam com o Caos – Nassim Nicholas Taleb. Ed. Best Business.

[3] Antifrágil, página 209.

[4] Antifrágil, página 227.

[5] 100 ensaios – Felipe Miranda. Editora Empiricus. Páginas 18-19.

[6] 100 ensaios – Felipe Miranda. Página 21.

[7] 100 ensaios – Felipe Miranda. Páginas 44-45.

[8] 100 ensaios – Felipe Miranda. Página 54.

[9] 100 ensaios – Felipe Miranda. Página 223.

Compartilhe nas redes sociais

Andrei Bueno Sander

Advogado inscrito na OAB/SC n.º 15.381, especializado em Gestão Empresarial e Direito Digital e Compliance. Sócio do Escritório de Advocacia Empresarial Sander & Cella - Advogados que atua na área do Direito Empresarial, auxiliando empresários e investidores desde o ano de 2000. Atua como Administrador Judicial em Recuperações Judiciais e Falências, e também no Direito Ambiental, sendo Diretor de Assuntos Legislativos da FCTER - Fundação Científica e Tecnológica em Energias Renováveis. É Vice-Presidente da Comissão de Direito Digital da OAB – Subseção de Chapecó – SC. É Investidor Anjo, sócio da empresa 1Bi Capital, mentor dos programas Inovativa Brasil e Finep Startup e um dos idealizadores do Desbravalley - Ecossistema de Empreendedorismo, Tecnologia, Startups e Inovação da Região Oeste de Santa Catarina.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *